Porque as mulheres têm mais facilidade de engordar que os homens?

Não existe uma razão isolada para essa questão! Talvez uma razão pela qual possamos nos entender um pouco melhor, é que nós mulheres somos regidas pelos hormônios, e isso faz uma diferença e tanto.

Vamos entender como funciona a máquina MULHER…

METABOLISMO – é a velocidade em que as células quebram os nutrientes dos alimentos para transformá-los em energia.

O metabolismo feminino é mais lento que o masculino, isso porque naturalmente – independente de serem ou estarem magras, eutróficas ou acima do peso – as mulheres possuem mais massa gorda e os homens mais massa muscular. Ao contrário do tecido muscular que é ativo e necessita de energia para manter-se, o tecido adiposo não gasta energia. O que determina uma quantidade maior de massa muscular no homem é o fato de ele possuir maiores concentrações de testosterona, hormônio masculino responsável pelo aumento da massa muscular.

Conseqüentemente por possuírem mais músculos, em uma hora de atividade aeróbica forte contínua, o homem gasta em média 800 calorias, e a mulher cerca de 600 calorias mesmo se tiverem a mesma altura, peso e idade.

HORMÔNIOS FEMININOS:

Para os hormônios femininos atuarem de forma correta eles precisam da presença de gordura.

Devido à ação dos hormônios estrógeno e progesterona, responsáveis pelas características femininas, e retenção de líquidos, as mulheres possuem tendência de acumular gordura nos quadris, culotes e nádegas.

Já nos homens, a tendência é o excesso de gordura acumular-se na região abdominal, o que os deixam mais susceptíveis a desenvolverem doenças cardiovasculares, hipertensão, derrame, infarto, diabetes e acidentes vasculares.

LEPTINA:

Existe ainda o hormônio da obesidade, a leptina. A leptina é um hormônio protéico que é secretado pelos adipócitos, embora também possa ser encontrada no epitélio intestinal, placenta, leite materno, músculos esqueléticos, gástricos e cérebro.

A leptina age no sistema nervoso central (hipotálamo) promovendo redução de ingestão de alimentos, tendo um papel importante na queima de gordura. Quando engordamos, as células adiposas liberam leptina, que avisa ao cérebro que controle o apetite. A leptina envia uma mensagem para aumentar o metabolismo. Quando queimamos gordura, os níveis de leptina caem e o centro do cérebro responsável pela fome diz: “Coma”.

A leptina está aumentada 2 a 3 vezes nas mulheres e principalmente nas obesas.

A INFLUÊNCIA DA SEROTONINA NA MULHER:

Uma das substâncias que governam as mulheres é chamada de serotonina, um dos hormônios que está associado à sensação de bem-estar. A falta desse hormônio deixa as mulheres mais vulneráveis a doenças como a depressão.

O que isto tem a ver com o excesso de gordura? Tudo. Os carboidratos (pães, massas e doces como o chocolate), ajudam na produção de serotonina, por isso, o desejo por esses alimentos aumenta no final da tarde, quando a redução do hormônio é mais expressiva ou no período pré-menstrual.

Nessas fases, em que aumenta a vontade em consumir carboidratos é preciso dar preferência aos complexos, que são encontrados nas frutas, legumes e cereais integrais. Este tipo de carboidrato é metabolizado mais lentamente, o que ajuda a manter a produção contínua de serotonina.

Além disso, os carboidratos complexos fornecem um aporte maior de fibras, fundamental para mulheres com problemas de intestino preso.

ATIVIDADE FÍSICA:

Sem dúvida uma ótima saída é recorrer a atividade física, os exercícios atuam de forma sistêmica no nosso organismo.

Veja os benefícios que a atividade física pode trazer:

  • Aumento da massa magra e conseqüentemente aumento do gasto energético;
  • Estimula a produção de serotonina, que promovem o bem-estar e o bom humor, possibilitando o aumento das sensações de euforia e contentamento;
  • Promove a sociabilização;
  • Contribui para ossos, articulações e músculos sadios.

Fonte: Guia da Dieta