Odebrecht repassou R$ 9 mi em caixa dois a Aécio e aliados, diz ex-executivo em delação

Ao jornal Folha de S.Paulo, o BJ informou que dinheiro foi repassado em duas parcelas

O ex-presidente da Odebrecht Infraestrutura, Benedito Júnior, conhecido como BJ, afirmou em depoimento à Justiça Eleitoral que a empresa repassou R$ 9 milhões em caixa dois ao PSDB, dinheiro que foi usado nas campanhas eleitorais de 2014. As informações são do jornal Folha de S.Paulo.

Ao ministro do TSE (Tribunal Superior Eleitoral), Herman Benjamin, relator do processo que investiga irregularidades da chapa Dilma-Temer em 2014, BJ disse que o repasse teria sido pedido pelo presidente do partido, senador Aécio Neves (MG). O dinheiro foi dividido em duas partes.

A primeira, de R$ 6 milhões, destinada a Antonio Anastasia (eleito senador pelo PSDB), Pimenta da Veiga (derrotado na disputa ao governo mineiro) e Dimas Fabiano (eleito deputado federal pelo PP).

A segunda parcela, de R$ 3 milhões, foi para o publicitário Paulo Vasconcelos, que comandou a campanha de Aécio Neves à Presidência em 2014.

A citação a Aécio Neves não foi adiante porque o ministro do TSE interrompeu o delator — para o juiz, o alvo da ação é apenas a chapa Dilma-Temer neste momento.

Em nota, o PSDB informou que “o senador Aécio Neves solicitou, como dirigente partidário, apoio para inúmeros candidatos de Minas e do Brasil a diversos empresários, sempre de acordo com a lei”.

O comunicado diz ainda que, “como já foi divulgado pela imprensa, o empresário Marcelo Odebrecht, que dirigia a empresa, declarou, em depoimento ao TSE, que todas as doações feitas à campanha presidencial do senador Aécio Neves em 2014 foram oficiais”.