Igualdade salarial entre homens e mulheres injetaria R$ 461 bilhões na economia brasileira

Brancos com ensino superior recebem R$ 3.720 mais do que negras com a mesma formação

Os avanços conquistados pelas mulheres ao longo dos últimos anos ainda não se refletem nas folhas salariais e fazem da disparidade entre gêneros uma das principais barreiras enfrentadas pelo sexo feminino no mercado de trabalho.

Caso a igualdade salarial entre homens e mulheres se tornasse uma realidade, a economia brasileira teria uma injeção de R$ 461 bilhões, de acordo com estudo do Instituto Locomotiva.

A diferença fica ainda mais clara quando os salários de homens brancos e negros são comparados com os salários de mulheres brancas e negras.

Enquanto os homens brancos com curso superior ganham, em média, R$ 6.590, o salário médio das mulheres brancas com o mesmo nível de formação é de R$ 3.915.

Já as mulheres negras têm a menor renda entre os trabalhadores com ensino superior completo. O estudo mostra que a renda média delas é de R$ 2.870, enquanto os homens negros com formação superior ganham R$ 4.730.

Em uma análise geral do mercado de trabalho, um estudo divulgado pelo IPEA (Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada) mostra que o homem branco tem o maior rendimento médio, de R$ 2.509 por mês.

Na sequência aparecem as mulheres brancas com rendimento mensal médio entre R$ 1.500 e R$ 2.000, quase junto à média nacional; o homem negro com rendimento pouco abaixo de R$ 1.500 e a mulher negra com renda mensal de R$ 1.027.

Cargo de chefia

Ainda que o ingresso da mulher no mercado de trabalho tenha tido forte expansão nos últimos 20 anos (9,3 milhões de brasileiras), o estudo aponta que a realidade ainda é marcada por constantes desafios, principalmente, na hora de assumir cargos de liderança.

Segundo a pesquisa, 21 milhões de homens acham justo a mulher assumir menos cargo inferiores porque podem engravidar e sair de licença-maternidade. O levantamento mostra que 15,4 milhões de homens concordam que o marido sempre deve ganhar mais que a esposa e 20% dos entrevistados disseram que é constrangedor a mulher ganhar mais que um homem.

O estudo aponta também quem 72% das mulheres afirmaram que o homem se sente inferior quando a mulher é mais bem-sucedida profissionalmente que ele.