Seu gato te ignora de propósito: cientistas descobriram que eles fingem não ouvir

As razões pelas quais seu gato prefere ignorar você podem estar relacionadas à evolução de sua espécie. Vamos entender melhor por que isso acontece.

Uma recente pesquisa feita na Universidade de Tóquio foi divulgada pelo jornal britânico The Independent e revelou algo que muitas “mães e pais de gato” não imaginavam: eles ignoram você de propósito. Sim, é isso mesmo que você leu!

Quem tem um cachorro costuma ser recebido com muita euforia e carinho depois de um longo dia fora de casa. Os cães também atendem aos chamados de seus pais humanos sempre com muita empolgação.

Por outro lado, os gatos praticamente fingem que você não existe quando você chega em casa ou chama pelo seu nome. Eles fazem isso de propósito.

Os resultados da pesquisa japonesa garantem que os gatos não tem nenhum problema de audição ou compreensão. Eles são totalmente capazes de reconhecer as vozes de seus donos, mas preferem “fingir” que não ouvem.

As razões pelas quais seu gato prefere ignorar você podem estar relacionadas à evolução de sua espécie. Vamos entender melhor por que isso acontece.

 

Como foi realizada a pesquisa?

Liderado por Atsuko Saito e Kazutaka Shinozuka, o estudo analisou 20 gatos domésticos em suas próprias casas.

Enquanto seus proprietários estavam longe do gato, os pesquisadores tocaram três gravações de voz: um estranho seguido do proprietário seguido de outro estranho.

Os japoneses, então, analisaram as respostas dos gatos a cada gravação medindo uma série de fatores: movimento das orelhas, do rabo, da cabeça, dilatação dos olhos e deslocamento das patas.

Ao ouvir seus nomes serem chamados, os gatos exibiram o que os pesquisadores chamaram de “comportamento orientador”, ou seja, eles moveram suas cabeças e orelhas para localizar de onde o som estava vindo.

No entanto, isso só aconteceu ao ouvir a voz de seu dono, já que os gatos se recusaram a se mover quando chamados por um estranho.

O que os resultados da pesquisa indicam?

Esses resultados indicam que os gatos não respondem ativamente com comportamento comunicativo aos proprietários que os chamam, mesmo que possam distinguir as vozes de seus donos.

Esta relação homem-gato está em contraste direto com a relação homem-cão.

O estudo sugere que a razão para o comportamento “insensível” dos gatos pode ser rastreada até a domesticação precoce da espécie, contrastando isso com a relação de humanos com cães.

Análises genéticas recentes revelaram que o antepassado comum do gato doméstico era o Felis silvestris, também conhecido como gato-selvagem, uma espécie de gato que entrou primeiramente em contato com seres humanos há cerca de 9.000 anos.

Esses gatos praticamente domesticaram a si próprios.

Historicamente, os gatos, ao contrário dos cães, não foram domesticados para obedecer às ordens dos seres humanos. Em vez disso, eles parecem tomar a iniciativa na interação homem-gato.

Isto está em contraste com a história de cães e seres humanos, onde o primeiro foi criado há milhares de anos para responder a ordens e comandos. Os gatos, ao que parece, nunca precisaram aprender.

No entanto, é pouco provável que isso provoque tristeza nos proprietários de gatos, já que os cães geralmente são vistos como uma espécie mais carinhosa que os felinos.

O estudo conclui observando que o aspecto comportamental dos gatos que fazem com que seus proprietários se apeguem a eles ainda são indeterminados.

A verdade é que embora os gatos tenham uma fama de “esnobe”, isso não quer dizer que eles não gostem de seus donos.

Por todos os motivos históricos de sua evolução, o gato simplesmente reage de maneira mais independente, mas não deixa de apreciar a companhia dos humanos a seu modo.