Em crise dentro de campo, São Paulo define presidente nesta terça-feira

Tricolores votarão na permanência de Leco ou na oposição para comandar clube até 2020

O São Paulo definirá nesta terça-feira (18) seu novo presidente para o triênio 2017-2020. Entre os candidatos, está o atual mandatário do clube Carlos Augusto Barros e Silva, o Leco, e o opositor José Eduardo Mesquita Pimenta.

Em 13 de outubro de 2015, Aidar renunciou ao cargo de presidente por acusações de corrupção. Desde então, Leco assumiu como interino e, posteriormente, foi efetivado com 138 votos a 36, além de 19 votos em branco, para encerrar o período eleitoral de Carlos Miguel Aidar.

Desde que assumiu o cargo, Leco tinha como principal objetivo esfriar as polemicas envolvendo o Tricolor, pacificar o cenário político do clube, investir em um time competitivo para voltar a brigar por títulos e sanar as dívidas, que beiravam a casa dos R$ 300 milhões.

Para recuperar receita e diminuir a dívida, o mandatário são-paulino vendeu algumas jovens promessas que ainda não tinham se firmado no clube, como o atacante David Neres por R$ 50 milhões, por 80% do passe do garoto, o zagueiro Lyanco por R$ 20 milhões, Alan Kardec por R$ 18 milhões e Ganso por R$ 24 milhões.

Leco também se aproximou de Laudo e Roberto Natel, que eram opositores e chegaram a lançar uma chapa para concorrer pela presidência do clube, porém, as conversas com o atual mandatário colocaram o trio unidos para seguir na gerencia Tricolor.

Com dinheiro em caixa, o São Paulo também investiu em reforços para montar um elenco forte para 2017. Lucas Pratto, Jucilei, Edimar, Neilton, Wellington Nem, Gilberto, Thomaz, Cicero e Sidão desembarcaram no CT são-paulino para fortalecer o grupo.

Além disso, o ídolo Rogério Ceni foi contratado para assumir o comando técnico da equipe. A presença do ex-goleiro ajudou também na contratação e renovação de alguns jogadores.

Entre os atletas que renovaram, o zagueiro Rodrigo Caio, campeão olímpico em 2016 e no radar de Tite na seleção principal, acertou um acordo com o São Paulo até o final de 2021.

Assim como o defensor, o atacante Luiz Araújo também estendeu seu vínculo até 2021. O jogador foi uma das gratas surpresas para na atual temporada, saindo de promessa para titular absoluto. No entanto, os resultados em campo ainda não são os melhores para os torcedores. Com apenas uma vitória em quatro clássicos estaduais, o São Paulo foi derrotado por Corinthians e Cruzeiro e no Morumbi e está ameaçado de ser eliminado do Paulistão e da Copa do Brasil. Apesar disso, Leco não está sofrendo com pressões para demitir o treinador e continuará apostando em Rogério para a sequência da temporada.

Opositor de Leco, José Eduardo Mesquita Pimenta, ex-presidente entre 1992 a 1994, havia se lançado como plano B para brigar pela presidência do clube, porém, um problema com José Roberto Ópice Blum, que seria o candidato para presidir a equipe, fez com que a chapa mudasse e Pimenta entrasse na briga para ser o mandatário.

O problema entre Pimenta e Ópice Blum foi que o próprio Ópice não sabia que iria concorrer ao cargo de presidente. Em seu último evento com conselheiros, Leco teve sucesso e conquistou mais eleitores para votação, onde é o grande favorito para vencer e manter-se como presidente.