Senador Fernando Bezerra recebeu propina fora de ano eleitoral, dizem delatores

Ele teria exigido R$ 1 milhão em 2013, um ano antes da campanha para o Senado

O senador Fernando Bezerra (PSD-PE) recebeu propina mesmo em ano que não teve eleição, revelam depoimentos de delatores da Odebrecht prestados no âmbito da Operação Lava Jato. Ex-ministro da Integração Nacional no governo Dilma, Bezerra foi citado por seis delatores.

Segundo um deles, em 2013, quando estava no ministério, Bezerra quis saber quanto dinheiro existia para execução da obra do Canal do Sertão. Neste encontro, Bezerra deu a entender que só liberaria os recursos para a obra se a Odebrecht contribuísse com a campanha dele, que ocorreria no ano seguinte.

Na ocasião, Bezerra teria pedido R$ 1 milhão e indicado um assessor para tratar da questão.

Outro delator relata que na construção do cais 5, obra do porto de Suape, em Pernambuco, ficou acertado que a Odebrecht, que tinha participação em 60% do consórcio, pagaria 3% em propina: 1,5% para o então governador Eduardo Campos (PSB), morto em um acidente aéreo em 2014, e a mesma quantia para Bezerra.

O caso de 2013 não teria sido a primeira vez que Bezerra se envolveu com propina, segundo as delações. Outros delatores apontaram que, na campanha de 2010, teria ocorrido um repasse de R$ 200 mil a ele.

Em nota, a assessoria de Bezerra afirmou que ele não participou da licitação, nem da contratação da obra do Canal do Sertão. O senador afirma que as delações são caluniosas. A defesa do parlamentar reforça que todas as contas da campanha de Bezerra ao Senado foram devidamente apresentadas e aprovadas pela justiça eleitoral.