Um dia antes de paralisação, ônibus de São Paulo saem das garagens com atrasos

Motoristas e cobradores não aceitaram proposta de reajuste salarial oferecida por empresas

As linhas de ônibus de São Paulo começaram a circular com atrasos entre o final da madrugada e o início da manhã desta segunda-feira (15) devido a mobilizações de trabalhadores nas garagens. A saída dos coletivos foi protelada em mais de uma hora e meia em alguns locais, conforme a SPTrans (São Paulo Transporte).

A grade horária começou a ser normalizada às 6h, mas a estimativa é de que os passageiros enfrentem atrasos maiores do que o normal durante toda a manhã.

O Sindmotoristas (Sindicato dos Motoristas e Trabalhadores em Transporte Rodoviário Urbano da Capital) promove reuniões para convocar motoristas e cobradores a aderirem a uma paralisação na tarde desta terça-feira (16).

O objetivo da entidade é retirar todos os ônibus de circulação na cidade das 14h às 17h de terça. A categoria está em campanha salarial há algumas semanas, sem acordo com o sindicato patronal até agora.

Os trabalhadores pedem 5% de aumento real, além da reposição da inflação. Já o SPUrbanuss (Sindicato das Empresas de Transporte Coletivo Urbano de Passageiros de São Paulo) oferece reajuste de 3%, dividido em duas parcelas.

A proposta foi negada em assembleia dos funcionários na última quinta-feira. Na sexta-feira (12), o sindicato já havia promovido atrasos na saída das frotas, como forma de protesto e preparação para o movimento previsto para a terça-feira.