PF deflagra operação que investiga campanha de Haddad em 2012

Empreiteira teria pago muito mais à gráfica do que foi declarado à Justiça Eleitoral

Agentes da Polícia Federal cumprem nove mandados de busca e apreensão em São Paulo, São Caetano e Praia Grande, nesta quinta-feira (1º). As ordens foram expedidas pela 1ª Zona Eleitoral de São Paulo, no âmbito da Operação Cifra Oculta, que apura crimes eleitorais e lavagem de dinheiro envolvendo a campanha de Fernando Haddad (PT) em 2012 para a prefeitura da capital.

O inquérito é um desmembramento da Operação Lava Jato e teve origem a partir da delação premiada de executivos da empreiteira UTC.

A Polícia Federal informou em nota que a investigação “apura o pagamento, pela empreiteira, de dívidas de uma das chapas da campanha de 2012 à prefeitura municipal de São Paulo, referentes a serviços gráficos no valor de R$ 2,6 milhões”.

A gráfica pertencia a familiares de um ex-deputado estadual.

Ainda de acordo com a PF, os valores foram pagos por meio de um doleiro, por transferências bancárias e também em dinheiro vivo.

A UTC teria gastado R$ 2,6 milhões com gráficas. No entanto, as prestações de contas da campanha mostram valores bem inferiores.

A Polícia Federal dará mais detalhes sobre o caso às 11h, em uma entrevista coletiva.

Até o momento, o ex-prefeito Fernando Haddad ainda não se pronunciou sobre a operação.