Polícia Federal faz buscas em apartamento de Adriana Ancelmo a procura de joias

Agentes querem encontrar 149 peças da ex-primeira-dama

Agentes da Polícia Federal fazem buscas na manhã desta sexta-feira (23) em apartamentos de pessoas ligadas à Adriana Anselmo, mulher do ex-governador do Rio de Janeiro Sergio Cabral, na zona sul do Rio de Janeiro. A ação, que é um desdobramento da operação Lava Jato, é para tentar encontrar as joias da ex-primeira-dama.

O primeiro alvo será a casa da ex-governanta de Adriana Ancelmo, no Jardim Botânico, onde estariam guardadas boa parte das joias. O segundo é a casa da irmã da ex-primeira dama, Nusia Ancelmo Mansur, em Ipanema.

Os agentes tentam reaver 149 peças de um total de 189 que teriam sido compradas como forma de levar dinheiro oriundo de corrupção. No total, são R$ 11 milhões em acessórios pagos em espécie. Só um dos brincos custava R$ 1,8 milhão.

Ligações com o TCE-RJ

A irmã de Adriana Ancelmo, Nusia, era servidora do TCE-RJ (Tribunal de Contas do Estado) até dezembro de 2016, quando pediu exoneração. Ela trabalhava no gabinete do conselheiro Aloysio Neves Guedes, presidente do TCE, e teria pedido para sair do órgão seis dias após o tribunal desligar de seu quadro de funcionários Fanny Regina da Silva Maia, sua tia.

Neste ano, a Polícia Federal deflagrou a operação Quinto do Ouro, que investigava irregularidades na aprovação de contas do Governo do Estado pelo tribunal. Seis conselheiros foram presos, incluindo Aloysio, acusados de participarem de um esquema de corrupção comandado por Cabral.