Juros do cheque especial chegam ao menor nível em 2017

Taxa do rotativo do cartão de crédito também continua a cair

Os juros do cheque especial, um dos mais altos do mercado, continuaram a trajetória de queda e chegaram ao menor patamar de 2017: 321,3% ao ano, nos 12 meses encerrados no mês de julho. Os dados foram divulgados nesta quinta-feira (24) pelo Banco Central.

O cheque especial é o limite que os clientes bancários utilizam quando não há saldo disponível na conta. A cobrança de juros é feita diariamente e cessa quando entram valores suficientes para cobrir o saldo negativo.

Apesar da queda dos juros do cheque especial, essa modalidade de crédito estava mais cara em julho deste ano do que no mesmo mês de 2016 (218,4% a.a.).

Já o juro do rotativo do cartão de crédito, sempre considerado o principal ingrediente da bola de neve do endividamento, manteve o ritmo de queda que tem apresentado desde o começo do ano, quando o Banco Central anunciou novas regras para essa modalidade.

Em julho, a taxa média cobrada era de 223,8% a.a., ante 431,1% no mês de março, época em que ocorreu a mudança.

Já o consignado, aquele empréstimo com desconto direto em folha de pagamento, registrou juros médios de 24,4% ao ano no mês passado.

Inadimplência

A inadimplência no cheque especial apresentou queda de 2,6% no ano, chegando a 14,8%, menor patamar desde julho do ano passado.

Já a inadimplência do cartão de crédito é a menor em mais de 20 meses (7,4%), apesar de ter recuado apenas 0,3% em 2017.