Câncer de próstata tem 90% de cura quando diagnóstico é precoce.

O câncer de próstata é o tipo mais comum entre os homens e a segunda maior causa de morte no sexo masculino.

De acordo com o INCA (Instituto Nacional do Câncer), foram estimados 61.200 novos casos em 2016 e 2017 no Brasil e, atualmente, cerca de 20% dos diagnósticos são feitos em estágios avançados.

Dados da SBU-SP (Sociedade Brasileira de Urologia de São Paulo) mostram que a doença ocorre principalmente nos mais velhos. Cerca de seis em cada dez casos são diagnosticados em homens com mais de 65 anos, sendo raro antes dos 40 anos. A média de idade no momento do diagnóstico é de 66 anos, e a taxa de incidência é maior nos países desenvolvidos em comparação aos países em desenvolvimento.

Segundo o urologista e presidente da SBU-SP, Flavio Trigo, 80% eram diagnosticados já na fase avançada. “Às vezes, se fazia o diagnóstico pelas metástases. O paciente chegava com dores ósseos, emagrecimento e, quando se procurava o foco, encontrava o câncer. Hoje em dia, 80% dos cânceres são diagnosticados em fase inicial e o paciente tem possibilidade de cura.
O cenário mudou bastante por conta das campanhas de conscientização, principalmente, em relação ao exame de toque a à intervenção das parceiras, que cobram que eles se cuidem da mesma forma que elas. Os homens começaram a fazer mais consultas de rotina, tanto na rede pública quando na rede privada, e a fazer os exames preventivos, o que já é um grande avanço.

A OMS (Organização Mundial de Saúde) recomenda que homens a partir dos 50 anos façam os exames de próstata e de PSA [exame de sangue] anualmente. Estudos revelam que a incidência de câncer de próstata aumenta consideravelmente com a idade, chegando a 80% aos 80 anos, enquanto que entre os 20 e 30 anos é de apenas 2% a 8%. Portanto a dica é: Previnir, sempre será o melhor remédio.